Todos

Todos os Artigos

Imagem do Post - Os “quem”, “como”, “onde” e “porquê” do segmento de controle de pragas.
#Food Service#B2B#Construção Civil#Educação#Franchising#Fun#Hospitalidade#Indústrias#Lar#Saúde#Transporte

Os “quem”, “como”, “onde” e “porquê” do segmento de controle de pragas.

Photo by Amador Loureiro on Unsplash

Várias são as alternativas de procura do cliente comum a empresas de controle de pragas, internet, classificados, folhetos etc. Alguns termos, porém, geram dúvidas e tentaremos explicá-los com esse artigo.

O “quem” diz respeito as empresas que atuam nesse segmento. Elas possuem vários portes, que vai desde o MEI (Micro-empreendedor individual), ME (Micro empresa), EPP (Empresa de pequeno porte) e LTDA.

O primeiro é aquele profissional que executa todas as etapas da cadeia, ou seja, ele é responsável pelo marketing, pela venda e pela execução do serviço, inclusive ele mesmo é o responsável técnico e precisa fornecer o certificado de garantia técnica.

Empresas ME e EPP, geralmente possuem uma estrutura física e um time maior, já se percebe neste porte de empresa os departamentos e as responsabilidade bem definidas, como vendas, financeiro, técnica etc.

Empresas LTDA já são empresas tradicionais e dominam todas as etapas da venda com maestria, possuem profissionais focados em cada departamento e geralmente atendem clientes de grande porte.  Via de regra, possuem um valor de serviço maior.

Essas empresas são conhecidas popularmente como dedetizadora, o nome é originado de um produto químico muito utilizado na segunda guerra mundial pela sua eficácia (DDT – Dicloro-Difenil-Tricloroetano), que com o passar do tempo se verificou maléfico a saúde, saiba mais acessando esse link https://brasilescola.uol.com.br/quimica/ddt.htm

Esse produto era utilizado apenas para insetos, principalmente os transmissores da malária, Tido e Febre Amarela.

Para se combater outras pragas, porém dá se outros nomes, por exemplo para rato, chamamos de desratização, para cupim como descupinização etc.

Como de maneira geral as empresas atuam combatendo várias pragas urbanas, o termo correto é empresa de controle de pragas ou simplesmente empresa controladora de pragas.

Vamos falar agora do “Como” as empresas executam essa atividade.

Para executar tais serviços são utilizados vários tipos de produtos químicos, ora sólidos, ora líquidos, a base de água ou não.

Além dos produtos, uma figura é indispensável neste processo, o dedetizador ou controlador de pragas. Que é o técnico responsável pelo manuseio e aplicação destes produtos no cliente final.

Cabe a este utilizar o método/produto mais eficaz em função do grau de infestação do local.

O “Onde” diz respeito ao local que apresenta as pragas, ele pode ser urbano ou rural.

Neste artigo estamos tratando apenas das pragas urbanas, mas o processo e nomenclatura são as mesmas para ambientes rurais.

Dado que estamos focando em ambientes urbanos, pode ser casas, apartamentos, indústrias e comércio em geral.

É muito comum a aquisição desse tipo de serviço em ambientes que tenham relação com alimentação e saúde, enquanto no primeiro a infestação ocorre em função dos 4As, água, abrigo, acesso e alimento.

Já no segundo, geralmente mais asseado, o objetivo é que não haja a presença de praga e, consequentemente, não gere contaminação e demais problemas associados as pragas.

Além de empresas, proprietários de casas e apartamentos também consomem esse tipo de serviço.

Em relação ao “porque”, manter um local livre de pragas é indispensável para saúde dos colaboradores e clientes, portanto dedetizar os locais com frequência é básico, a questão a ser analisada é a do preço, a questão dedetização preço.

De maneira geral esses são os atores e termos desse segmento, caso queira saber mais sobre o assunto ou contratar esse tipo de serviço de empresas especializadas, acesse www.greenddt.co e saiba como podemos lhe ajudar.

Imagem do Post - As barreiras de entrada e a baixa competitividade das empresas de controle de pragas no Brasil.
#Food Service#B2B#Construção Civil#Educação#Franchising#Fun#Hospitalidade#Indústrias#Lar#Saúde#Transporte

As barreiras de entrada e a baixa competitividade das empresas de controle de pragas no Brasil.

Photo by Max Böhme on Unsplash

Quando falamos em aspectos que fazem um mercado se desenvolver, se comparado a outros mercados, além de analisarmos fatores como regionalização, nível da economia, grau de tecnologia entre outras variáveis, devemos nos atentar à possíveis barreiras de entrada, assim como a competitividade, e os níveis de qualidade de serviço deste mercado.

Neste artigo iremos abordar principalmente estes três últimos fatores, ou seja, barreiras de entrada, a competitividade e os níveis de qualidade do serviço.
Barreira de entrada significa a dificuldade ou as condições que algum agente ou organização precisa resolver ou aceitar para começar a atuar num determinado segmento ou mercado.

Elas são divididas em três categorias básicas:

Financeiras, técnicas e legais.

Quando falamos do mercado de controle de pragas, as categorias técnicas e legais são condições “sine qua non”, ou seja, não só são necessárias como são pré-requisitos para garantir a segurança de todos.

Sendo assim, vamos argumentar apenas do aspecto financeiro dessa barreira.

De acordo com a pesquisa análise setorial da PHCFoco, empresa especializada em pesquisa e dados do setor de controle de pragas no Brasil, o perfil das empresas que atuam neste mercado é:

92% delas possuem o controle de pragas o principal negócio, 64,45% possuem de 10 a 29 anos de existência e 57,78% delas possui de 4 a 19 colaboradores.

Fonte: http://www.analisesetorial.com.br/ Pesquisa gestão e tecnologia – Resultados 1 e 2 dados abertos

Apesar de ser empresas que já possuem anos de existência, quando o assunto é faturamento, a maioria se enquadra como ME ou EPP, sendo caracterizadas como empresas pequenas e médias.

Dito isto, a dificuldade de fluxo de caixa para a grande maioria delas é um ponto importante e se caracteriza como o principal motivo que as impedem de acessar os grandes contratos, pela necessidade de compra de vários equipamentos, como armadilhas luminosas, por exemplo e ter de cedê-los aos clientes no regime de comodato, que nada mais é do que um aluguel deles, descasando o fluxo de caixa. Desta forma, as empresas acabam por financiar esses contratos com recursos próprios na expectativa de que eles durem um longo período.

Além disso, existe alguns grandes contratos com prazos de pagamentos demasiadamente altos, fazendo com que estas empresas menores tenham um desembolso de capital com pagamento de salários e insumos, em média muito menor do que o prazo de recebimento das mensalidades do contrato.

Em relação à concorrência, as barreiras de entrada citadas anteriormente reduzem significativamente a competitividade em nesses grandes contratos, fazendo com que pouquíssimas empresas possam competir em pé de igualdade por eles. Isso na grande maioria das vezes faz com que o cliente final, por falta de competitividade, pague um valor acima do valor justo de mercado para esse tipo de serviço.

Portanto, uma possível solução para esse problema seria adequar a oferta a demanda desses serviços, inserindo mais empresas para concorrerem em pé de igualdade as demais, reduzindo o preço e mantendo ou aumentando a qualidade dos serviços prestados.

A fim de baratear seus custos, na grande maioria das vezes, estas empresas acabam contratando profissionais e fazendo um treinamento muito ineficaz, as vezes nem o faz e isso implica diretamente na qualidade dos serviços prestados que na média oscila entre o razoável e o bom.

A pergunta de um milhão de dólares é: como melhorar isso?

A resposta não é simples, mas um caminho seria aumentar a transparência e o profissionalismo do setor, padronizando as informações para obtenção dos orçamentos, assim como classificando os fornecedores de acordo com sua trajetória, certificações, NPS dos serviços e nível de preço, claro.

Isso é o que fazemos na greenddt. Ajudamos os parceiros a competir em pé de igualdade com os grandes players desse mercado, reduzindo as barreiras de entrada através de acordo comerciais com grandes fabricantes de pesticidas e equipamentos a fim de que nossos parceiros possam prosperar e investir cada vez mais na capacidade técnica de seus colaboradores e assim oferecer produtos e serviços de mais qualidade a um preço mais competitivo.

Imagem do Post - Como não se procurar dedetizadoras no Google.
#Food Service#B2B#Construção Civil#Educação#Franchising#Fun#Hospitalidade#Indústrias#Lar#Saúde#Transporte

Como não se procurar dedetizadoras no Google.

Photo by Marten Newhall on Unsplash

Para o segundo artigo do blog, pensamos em vários temas e quais deles teriam maior valor para o nosso cliente final.

Enfim, decidimos escrever: Como NÃO se procurar no Google por uma empresa de controle de pragas.

  • E por que achamos que esse tema é importante para primeiro artigo no blog?

Bom, pelo fato da maioria das pessoas não terem ideia de como procurar por esse tipo de serviço que é tão importante e indispensável para alguns segmentos da economia, como de alimentação e saúde.

Sendo assim, geralmente recorrem ao Google e pesquisam algo do tipo: “Controle de Pragas”, “Dedetização baratas”, “Dedetização formigas”, “Exterminador de pragas” e assim por diante.

Ou ainda recorrem a uma busca regional, tipo: “Dedetizadora Zona Leste” ou “Dedetizadora zona sul”.

  • E qual o problema com esse tipo de busca no Google?

É que na maioria esmagadora das vezes, esse tipo de pesquisa vai lhe trazer a informação patrocinada daquelas empresas que possuem um pouco mais de orçamento para investir em anúncio no Google e que não necessariamente possui o melhor serviço, o mais bem avaliado ou com valor mais justo.

  • Mantendo esse raciocínio, uma alternativa de texto para a pesquisa no Google seria:

“Qual a avaliação da dedetizadora X”, ou “Qual o custo-benefício da dedetizadora Y” ou ainda “Como é o pós venda da dedetizadora Z”.

É claro que o Google por si só não possui resposta à todas essas perguntas.

Quanto à avaliação é possível sim ver recomendações escritas no Google de algumas dedetizadoras. O grande ponto é: Será que essa avaliação foi feita por uma pessoa que realmente consumiu o serviço ou ela foi feita por parentes e amigos dos sócios ou coisa do gênero?

Infelizmente, no Google não existe uma régua de avaliação de fácil comparação entre a empresa X e Y.

Em relação ao custo benefício, essa informação é difícil encontrar, por se tratar de algo mais pessoal, pois está relacionada ao valor que cada pessoa atribui ao serviço e qual é o tamanho da sua dor em relação a esse problema.

  • Que bom seria se você pudesse ter de forma clara o objetiva os valores para cada tipo de serviço solicitado, não?

Para finalizar, temos uma outra pergunta super importante, que diz respeito ao pós venda, essa definitivamente o Google não tem.

A maioria das empresas atuais, faz a venda, executa o serviço e quando o cliente solicita uma segunda visita, ou ela não ocorre, ou ocorre fora do prazo desejado.

Já pesquisou a empresa que está fornecendo esse serviço atualmente para você no ReclameAqui?

Enfim, o Google é uma ferramenta fantástica, mas não responde à todas as perguntas e quando responde, as informações não estão claras de forma que seja possível comparar empresas e custo benefício.

O que fazer neste caso?

Sugestão:

Procure profissionais e empresas qualificadas, que possuam documentação checada e histórico de todos os tipos de serviço.

Compare e escolha o valor que lhe apresentar o melhor custo benefício e caso tenha problema, possa solicitar uma nova visita e receber o profissional no dia e horário marcado.

Ou seja, acesse a plataforma www.greenddt.co, faça o seu cadastro e descubra um novo jeito de contratar serviços de controle de pragas. Tenha acesso a essas e outras vantagens, receba orçamentos de parceiros qualificados e faça avaliação após o serviço.

Imagem do Post - Controle de pragas em Hiper/Supermercadistas - Desafios e Habilidades Necessárias.
#B2B#Indústrias

Controle de pragas em Hiper/Supermercadistas - Desafios e Habilidades Necessárias.

Photo by Jake Leonard on Unsplash.

Olá leitores, neste artigo vamos abordar um segmento super importante de nossa economia, o Super/Hipermercadista.

 

De acordo com o Ranking Abras/SuperHiper publicado no jornal Correio do Povo (https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/economia/faturamento-de-supermercados-foi-de-r-378-bilh%C3%B5es-em-2019-diz-abras-1.432414) o PIB deste segmento representou 5,2% do PIB brasileiro em 2019 e o valor total foi na ordem de R$ 378 bilhões.

 

Dado essa importância na economia nacional, faz se necessário um esforço relevante para que produtos não sejam contaminados e os clientes não fiquem com uma má percepção das marcas e das lojas e sendo assim, sejam afastados pelas pragas urbanas, tão comum neste segmento.

 

Com isso em mente, elencamos três pontos que ao nosso ver são de extrema importância para selecionar as empresas que prestam serviço de controle de pragas em ambiente Super/Hipermercadistas, são eles:

 

A complexidade do ambiente, a ocorrência de pragas de forma ativa e passiva e por fim intenso movimento de pessoas e mercadorias.

Em relação ao ambiente complexo, a sua composição se assemelha muito a de várias indústrias de manufatura, uma ao lado da outra e isso é um ponto que gera mais complexidade ao controle de pragas. Geralmente uma estrutura supermercadista é composta por áreas internas e externas.

Nas áreas internas a apresentação / setores mais comuns são:

  • Panificação, com manufatura própria de alguns itens.
  • Tecido Cárneo, como: bovino, suíno, caprino, frango, peixe, etc., com manufatura própria de alguns itens.
  • Frios & Laticínios com manufatura própria de alguns itens.
  • Rotisserie, restaurante, lanchonete, cafeteria, etc., com manufatura própria de alguns itens.
  • Hortifruti & Granjeiro, com manufatura própria de alguns itens.
  • Distribuição de produtos manufaturados por terceiros;
  • Eletro & Eletrônicos;
  • Material para escritório, veículos, casa, etc.
  • Vestuários;
  •  

Nas áreas externas a apresentação / setores mais comuns são:

  • Drogaria;
  • Logística;
  • Estacionamento

 
Note que várias áreas internas ou departamentos de um super/hipermercado possui manufatura própria, gerando condições propícias para o surgimento de pragas urbanas e em cada um deles, pode haver o aparecimento de um tipo específico de praga, não podendo ser utilizada a mesma técnica / produto para todas as áreas.

Além disso, o layout físico dos super/hipermercados é pensado para maximizar as vendas, o que definitivamente não está errado.

Porém, isso aumenta a ocorrência de pragas pelo fato de o ambiente apresentar as condições ideais para propagação das pragas, o que chamamos de quatro A’s: Água, Abrigo, Acesso e Alimento.

O outro ponto importante da análise é a ocorrência de pragas nas formas ativa e passiva.

Entendemos que a relação ativa consiste no surgimento de pragas principalmente em função dos 4 “As” e de forma passiva é o surgimento de pragas no ambiente provenientes de outros locais, onde o vetor geralmente são embalagens em geral, papelão, pallets, etc,.

E por último e não menos importante, o fator de intensa circulação de pessoas também é essencial nesta análise.

Porém, diferentemente dos dois anteriores que são fatores internos e tem relação com a operação da loja, este último, tem relação direta com a percepção do consumidor em relação à marca e afeta principalmente a sua experiência de compra.

O alto fluxo de pessoas no ambiente super/hipermercadista faz com que a presença de pragas circulando entre os clientes no momento da compra gere uma experiência terrível e com certeza um NPS (Net Promoter Score – uma métrica para medir a lealdade do cliente e quão satisfeito está com o prestador / fornecedor) baixo para a loja. Logo, neste sentido, o aparecimento de pragas no momento das compras faz com que a reputação da loja perante o cliente caia significativamente e isso influencie diretamente o ticket média da venda da loja.

Senso assim, a escolha de um prestador de serviços de controle de pragas não deve ser pautada apenas no preço do serviço e sim em outros fatores como:

  1. O prestador precisa conhecer a fundo o segmento em si, para que consiga orquestrar as atividades de controle integrado de pragas.
  2. Necessita que toda a documentação esteja em dia, inclusive com técnicos qualificados e boas práticas de trabalho e manuseio dos produtos.
  3. Que os serviços sejam avaliados constantemente e estes prestadores tenham uma outra referência, além do preço para que os contratantes tomem a decisão de quem contratar., um modelo claro de avaliação com certeza ajuda neste sentido.

 
Concluímos que o segmento supermercadista possui características muito peculiares que somente empresas de controle de pragas especialista neste segmento podem identificar e resolver.

Logo Greenddt
Termos
ContatoFone: (11) 98756-7241Email: ailton.santos@greenddt.co

2020 © Todos os direitos reservados à greenddt